Portal da USP Portal da USP Portal da USP
Imagem para capa

APLICAÇÃO DA FITORREMEDIAÇÃO EM FUNÇÃO DE TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE EM MICROBACIAS URBANAS DA CIDADE DE SÃO PAULO

Maitê Bueno Pinheiro

Resumo


Este artigo investiga a aplicação da fitorremediação em função de tipologias de Infraestrutura Verde (IV) em microbacias urbanas da cidade de São Paulo. Para esta investigação utilizou-se o reconhecimento das tipologias de Infraestrutura Verde para sua aplicação em uma microbacia densamente urbanizada da cidade, realizado no recente trabalho de Bonzi (2015). Este estudo é parte integrante de pesquisa mestrado em andamento que, em seus resultados preliminares, apresenta a tipologia biovaleta como sendo bastante indicada à tecnologia de fitorremediação.  A fitorremediação é uma tecnologia emergente que utiliza os mecanismos naturais das plantas e suas interações com a microbiota associada para a degradação, contenção, imobilização e extração de poluentes orgânicos e inorgânicos, e pode ser aplicada para o tratamento da poluição das águas urbanas em função das tipologias paisagísticas de Infraestrutura Verde. A Infraestrutura Verde é uma rede de áreas paisagisticamente interconectadas que pode ser compreendida como uma ferramenta para o reconhecimento e aproveitamento de serviços ecossistêmicos no ambiente urbano. A IV tem sido considerada na literatura especializada como uma ferramenta capaz de atender às demandas das questões ambientais das cidades, especialmente no que diz respeito ao manejo quantitativo e qualitativo das águas.

Palavras-chave


Fitorremediação; Infraestrutura Verde; águas urbanas; microbacias urbanas; São Paulo

Texto completo:

PDF

Referências


AESABESP – ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS DA SABESP. Poluição por carga difusa: o impacto da poluição difusa nos centros urbanos. Revista Saneas. Ano IX, jul/ago/set, 2008, n. 30, p. 14-25. Disponível em: . Acesso em: 20 de maio de 2014.

ALKORTA, I; GARBISU, C. Phytoremediation of organic contaminants in soils. Bioresource Technology, v. 79, p. 273-276, 2001.

ANTUNES, R. P. Análise do potencial de uso das macrófitas aquáticas do sistema de áreas alagadas construídas da ETE da Comunidade de Serviços Emaús (Ubatuba, SP) como adubo orgânico. São Carlos, 2009.

BIOMATRIX WATER. River Restoration. 2012. Disponível em: . Acesso em: 28 de maio de 2014.

BONZI, R. S. Andar sobre Água Preta: a aplicação da Infraestrutura verde em áreas densamente urbanizadas. São Paulo, 2015. 159 p.

CORMIER, N. S; PELLEGRINO, P. R. M. Infra-estrutura verde: uma estratégia paisagística para a água urbana. Revista Paisagem e Ambiente. São Paulo: FAUUSP, 2008. n 25.

COUTINHO, H. D; BARBOSA, A. R. Fitorremediação: Considerações Gerais e Características de Utilização. Silva Lusitana, Lisboa, 2007. V. 15, n. 1, p. 103- 117.

DEPARTMENT WATER AFFAIRS - DWA. Wetland and Shoreline Rehabilitation. Republic of South Africa, 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 de junho de 2014.

EPA - U. S, ENVIRONMENTAL PROTECTION AGENCY. Introduction to Phytoremediation. National Risk Management Research Laboratory Office of Research and Development, Cincinnati, Ohio, fev. 2000.

___________.Considerations in the Design of Treatment Best Management Practices (BMPs) to Improve Water Quality. National Risk Management Research Laboratory Office of Research and Development, set. 2002.

__________. Case Studies Analyzing the Economic Benefits of Low Impact Development and Green Infrastructure Programs. U.S. Environmental Protection Agency Office of Wetlands, Oceans and Watersheds Nonpoint Source Control Branch. Washington, DC, ago. 2013.

FRICK, C. M; FARRELL, R. EK GERMIDA, J. J. Assessment of Phytoremediation as an In-Situ Technique for Cleaning Oil-Contaminated Sites. Department of Soil Science University of Saskatchewan Saskatoon. Saskatchewan, 1999.

GERHARDT, K. E; BETHAN, R. H. Phytoremediation and rhizoremediation of organic soil contaminants: Potential and challenges. Plant Science. 2009. V. 176, p. 20-30.

JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. Lista de Espécies da Flora do Brasil. Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 de maio de 2015.

KAMATH, R.; RENTZ, J. A.; SCHNOOR, J. L.; ALVAREZ, P. J. J. Fitorremediação de solos contaminados por hidrocarbonetos: princípios e aplicações. In: MOERI, E; RODRIGUES, D; NIETERS, A. (Editores). Áreas contaminadas: remediação e revitalização. São Paulo: Signus Editora, 2005. p. 27-57.

LEITE, J. R. A ecologia da paisagem no planejamento ecológico de bacias hidrográficas urbanas. São Paulo, 2008.

MERKL, N; SHULTZE-KRAFT, R; INFANTE, C. Phytoremediation in the tropics – influence of heavy crude oil root morphological characteristics of graminoids. Environmental Pollution. Fev. 2005. V. 138, p. 86-91.

MORENO, F. N. Avaliação experimental do potencial do chorão (Salix babylonica – Linnaeus) na fitorremediação de aquíferos contaminados por nitratos, etanos e benzeno. Florianópolis, 1998.

MORENO, F. N; ANDERSON, C.W.N; STEWART, R. B; ROBINSON, B. H. Mercury volatilisation and phytoextraction from base-metal mine tailings. Environmental Pollution, 2005, V. 136 p. 341-352.

MORENO, F. N; SÍGOLO, J. B. Fitoestabilização controlada: proposta de processo de revitalização para passivos de areias de fundição. In: MOERI, E; RODRIGUES, D; NIETERS, A. (Editores). Áreas contaminadas: remediação e revitalização. São Paulo: Signus Editora, 2007. V. 3, p. 81-99.

MORINAGA, C. M. Recuperação de áreas contaminadas: Um novo desafio para projetos paisagísticos. São Paulo, 2007.

MOURA, N. C. B. de. Biorretenção: tecnologia ambiental urbana para manejo das águas da chuva. São Paulo, 2013.

PILON-SMITS, E. Phytoremediation. Annual Review of Plant Biology. Jan. 2005. V. 56, p. 15-59.

PINHEIRO, M. B. Fitorremediação de solos contaminados por hidrocarbonetos do petróleo. São Paulo, 2012. 50 p.

PLATT, R. H. Urban Watershed management sustainability, onde stream at a time. Environment. Heldref Publications. May, 2006 v. 48, n. 4, p. 26-42.

ROSA, J. C. S. Avaliação de impactos ambientais de um projeto de mineração: Um teste metodológico baseado em serviços ecossistêmicos. São Paulo, 2014.

RUBY, M; APPLETON, B. Using landscape plants for phytoremediation. Low Impact Development 2010: Redefining Water in the City. ASCE, 2010.

SALATI, E. Controle de qualidade de água através de wetalands construídos. Rio de Janeiro, s/d.

SALT, D. M; BLAYLOOCK, M; KUMAR, P. B. A. N; DUSCHENKOV, V; ENSLEY, B.D; CHET, I. RASKIN, I. Phytoremediation: A Novel Strategy for the Removal of Toxic Metals from the Environment Using Plants. Nature Biotechnology, 1995. V. 13, p. 468-474.

SANTOS, R. F. O contexto histórico da definição conceitual de Serviços Ecossistêmicos. Fapesp, São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 de maio de 2015.

SMA. Cadernos da Mata Ciliar. Secretaria do Estado do Meio Ambiente, Coodenadoria da Biodiversidade e Recursos Naturais, N 1 (2009) – São Paulo : SMA, 2009.

SZCYGLOWSKA, M; PIEKARSKA, A; KONIECZKA, P; NAMIESNIK, J. Use of Brassica Plants in the Phytoremediation and Biofumigation Processes. International Journal of Molecular Sciences, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 de maio de 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v1i10p134-154

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




INDEXADORES

Google Acadêmico
Índice de Arquitetura Brasileira
PKP-Public Knowledge Project