Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Navegando contra a corrente: o papel dos escravos e da flora africana na botânica do período colonial

Judith Carney

Resumo


O caráter revolucionário das trocas ecológicas e botânicas que sucederam a expansão marítima Européia pós 1492 é hoje largamente reconhecido. Não obstante, a literatura que estuda as trocas culturais e comerciais do período pós-Colombiano permanece omissa no que se refere à disseminação alhures de plantas nativas da África e aos meios pelos quais isto ocorreu. Para reverter esta corrente, como revela este artigo, torna-se necessário que se caracterize o papel que o comércio transatlântico de escravos teve na dispersão destas plantas, assim como a importância que os escravos africanos desempenharam na consolidação de gêneros alimentícios básicos da culinária das Américas. Ao dar destaque à diáspora africana, enquanto um fenômeno que envolve tanto pessoas quanto plantas, coloca-se ênfase nos sistemas primitivos de conhecimento africano. A expressão destes sistemas de conhecimento na coesão de comunidades inteiras de africanos reflete formas particulares de relações de poder, preferências alimentares, identidade cultural, e disputas sobre o processo de trabalho. Ao dar relevo às plantas africanas estabelecidas nas Américas, este artigo procura corrigir uma distorção comum em narrativas sobre as trocas transatlânticas: a insistência em enfatizar o papel dos europeus na disseminação de plantas a nível intercontinental e em valorizar produtos agrícolas de origem Ameríndia e Asiática em detrimento da contribuição africana. O objetivo deste trabalho é promover o resgate histórico do papel da África na botânica colonial.


Palavras-chave


Diáspora africana; plantas africanas; trocas pós-colombianas; escravidão; alimentação; identidade.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2526-303X.v0i22-23p25-47

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.