Portal da USP Portal da USP Portal da USP

ATIVIDADES DE SAÚDE PÚBLICA NA ZONA RURAL COM ESPECIAL REFERÊNCIA AO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

Oswaldo Paulo Forratini, Paulo Carvalho Pinto

Resumo


Os autores iniciam o presente trabalho, conceituando a zona rural. Após evidenciar a impossibilidade da existência de uma definição rígida, adotam aquela que inclui as comunidades com um número de habitantes inferior a 2.000 e as localidades que, embora com populações maiores, apresentam problemas sanitários semelhantes aos da zona rural. Em seguida, tecem algumas considerações sôbre as atividades de saúde pública para a zona rural, distinguindo principalmente: saneamento, assistência médica, assistência materna e infantil, contrôle de moléstias transmissíveis, mas considerando básico, antes de tudo, um programa integral para assistir às necessidades da população. Ressaltam ser indispensável o conhecimento da cultura da população que vai ser assistida, adotando, assim, métodos educativos adequados para melhor participação dessa população nos programas a serem desenvolvidos. Passando em revista a organização dos Serviços destinados a execução dessas atividades distinguem duas modalidades: unidades móveis e unidades fixas. Descrevem êsses dois tipos de organização, citando vários exemplos da América Latina e do Brasil. Estudam a seguir a situação do Estado de São Paulo, analisando os planos e serviços destinados a prestar assistência à população rural : 1. Serviço Especial de Saúde de Araraquara. 2. Serviço Agro-médico-sanitário rural (Santa Rita). 3. Plano de Itapetininga. 4. Plano de Serviço Agro-médico-social. Os autores tecem comentários sôbre êsses serviços, apontando os inconvenientes da utilização das unidades móveis e especializadas, e as vantagens do uso de unidades fixas devidamente equipadas em pessoal e material de modo a atingir tôda a população sob sua jurisdição. Baseados em tais considerações, os autores apresentam as seguintes condusões: 1. É recomendável, scb todos os pontos de vista que a execução do programa de saúde rural esteja a cargo de uma unidade polivalente regional devidamente aparelhada, agindo através de pequenas unidades, fixas nos locais de maior condensação populacional. 2. A unidade fixa na comunidade rural deverá estar a cargo de um ou mais elementos da equipe sanitária. O essencial é que sejam residentes no local onde se encarregarão da execução das atividades, sob a supervisão de técnicos da Unidade Sanitária da área. 3. O elemento fixo na localidade deve ser de preferência uma enfermeira de saúde pública que no desempenho de sua tarefa deverá manter íntimo contato com a população local. O inspetor sanitário constitui outro elemento de valor na execução do programa de saneamento. Ambos poderão ser ajudados por pessoal auxiliar devidamente treinado e preferentemente natural do lugar. 4. Os especialistas do Centro de Saúde atenderão periodicamente a população nas sub-unidades rurais, mas em caso de necessidade a população rural poderá, sempre, recorrer aos serviços da unidade central. 5. Atentando para a particular situação do Estado de São Paulo, ao invés da criação de serviços especializados para atender à população rural, será mais recomendável o reequipamento da vasta rêde de Centros de Saúde e PAMS já existentes, no sentido de possibilitar a estas unidades a execução de seu verdadeiro papel de órgão polivalente de saúde pública; simultâneamente deverá ser desenvolvido um programa de formação de profissionais sanitaristas e do indispensável pessoal auxiliar para o bom desenvolvimento da assistência médico-sanitária no meio rural. 6. O programa de saúde pública sendo um dos aspectos do bem-estar rural, deverá despertar nos sanitaristas, de tôdas as categorias e graus, o espírito de cooperação e de trabalho em equipe entre todos que labutam pela promoção do bem-estar da população rural. 7. O verdadeiro objetivo do programa de assistência sanitária é despertar a consciência da populâção rural a favor do seu próprio melhoramento, assim, sendo, deve a equipe sanitária ensiná-la a "auxiliar a si mesmo" para elevar o seu padrão de vida e conseqüentemente obter um melhor estado de saúde.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2358-792X.v11i1p35-70

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.